Thursday, May 30, 2024
Niz Goenkar
Latest News

Cap. Jorge Trólóró - Resquícios Da Faina Maior – por Ana Maria Lopes
Monday - May 6, 2024
Cap. Jorge Trólóró - Resquícios Da Faina Maior – por Ana Maria Lopes
Em tarde de mudança de planos, voltei a este homem do mar, que sempre ficou em suspenso. Queria registar algo da sua biografia, mas nunca consegui grandes elementos. Há já uns anos, identifiquei uma senhora na Residencial do Casci, que sabia ter sido sua nora, mas, ao interpelá-la com custo, muito pouco consegui… confirmou-me o nome do marido, Jorge Manuel Tavares da Rocha, motorista, já falecido, e do sogro – Capitão Jorge da Rocha Trolaró. Confirmei, mas nada mais. O nome ou alcunha – nunca tive a certeza – apresentava-se com muitas variantes: Tróloró, Trolóró, Trólóró ou Trolaró. Acontece, por Ílhavo.
Bem, Jorge da Rocha Trólóró, segundo a sua assinatura da ficha do Grémio, era filho de Joaquim da Rocha Trólóró e de Maria Emília Nunes Vidal, natural de Ílhavo, tendo nascido a 30 de Março de 1900. E por cá viveu…Casou a 27 de Setembro de 1922 com Maria Rosa Tavares da Rocha, de cujo casamento, nasceram os filhos Maria Jorgelina, Rosa Emília e Jorge Manuel Tavares da Rocha.
 
Era portador da cédula marítima nº 5.751, passada pela Capitania do Porto do Porto, que testemunhava que exercia a profissão de pescador do bacalhau desde o ano de 1919 como piloto e que deixou de exercer a profissão desde 1941, por motivo de doença. Citava o nome de dois navios, “Patriotismo” e “Delães” e meia dúzia de datas. Estava montado o esqueleto, mas era preciso completar os espaços descarnados. Há anos, deixei de lado, mas, hoje, voltei ao Trólóró, que não conheci, mas de que conheci o tal filho, motorista, que usava o mesmo nome do pai.
 
 
Vamos lá “pescar” os dados que faltam, servindo-me dos jornais de época, "O Ilhavense", "Beira-Mar" e dos registos do João David Marques que são “um livro aberto”. O primeiro registo escrito com que me deparei foi como piloto, em "O Ilhavense" de Março de1923, do lugre “Vencedor”, da praça do Porto, comandado pelo capitão Francisco de Oliveira. Nas campanhas de 1926 a 28, continuou como piloto do lugre da praça do Porto, “Patriotismo”, sob o comando de Francisco de Oliveira.
 
Em 1929, mantendo-se fiel à mesma praça, mudou-se de saco e enxoval para o convés do lugre “Palmirinha”, como piloto, sob o comando de António Cachim Júnior, por aí ficando até 1930, inclusive. Em anos de forte crise baca
lhoeira, lá foi continuando, trocando de navio, passando a ter a seu cargo, em 1931, o comando do “Patriotismo”, que já servira, até 1939, tendo como piloto António Cachim Júnior. E este foi o “seu navio, em toda a década de trinta
, tendo conhecido os pilotos Manuel Gonçalves da Silva (Paroleiro), Adolfo Francisco da Maia e João de Sousa.
 
O lugre de madeira “Patriotismo”, construído em 1923 por José B. Santos Borda, para a Parceria Marítima do Douro, Lda., fez a última campanha em 1939, tendo passado para o comércio, em 1940. E o “nosso Trólaró”, eis que passou para o comando do lugre motor “Delães”, levando como piloto João Juff Tavares Ramos, nos anos de 1940 e 41. O famoso “Delães”, a quem a sorte não bafejou, em 1942. Tinha o destino traçado.
 
Mas, voltando ao nosso oficial, que havia pedido dispensa da profissão, em 1941, por questões de saúde, quando é que nos teria deixado?  Não minto, se disser que há uns anos, folheei, já exausta, em duas tardes, 5 anos de jornais. Finalmente, repliquei, cansada, quando, o nosso jornal de 10 de Junho de 1947 noticiava, que "tinha falecido esta madrugada, com 48 anos de idade, Jorge da Rocha (Troloró), oficial da Marinha Mercante, há muito tempo retido em casa, por pertinaz enfermidade".
 
Curta a vida!... Desde tão novo, no mar!..

Back
No comments posted...
Leave a Comment
* Name
* Email (will not be published)
*
* Enter verification code
* - Required Fields